23/01/2009 / Em: Clipping

 

Unicamp publica lista de aprovados para as vagas remanescentes  (UOL – Vestibular – 22/01/09)

A Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) divulgou, nesta quinta-feira (22), a lista dos 91 aprovados para preencher as vagas remanescentes oferecidas pela instituição, confira: ·  Aprovados nas vagas remanescentes

A matrícula e a solicitação de aproveitamento de estudos para os candidatos aprovados devem ser feitas nos dias 27 e 28 de janeiro, na DAC (Diretoria Acadêmica), campus de Campinas, das 9h às 16h30.  É necessário apresentar cópias autenticadas ou acompanhadas dos originais dos seguintes documentos:

I – Certificado de Conclusão do ensino médio;
II – Certidão de Nascimento ou Casamento;
III – Cédula de Identidade;
IV – Título de Eleitor para os brasileiros maiores de 18 anos;
V – Certificado de Reservista ou Atestado de Alistamento Militar ou Atestado de Matrícula em CPOR ou NPOR para os brasileiros maiores de 18 anos, do sexo masculino;
VI – Uma foto 3 x 4 recente e colorida;
VII – Comprovante de Reconhecimento do Curso em que se encontra matriculado, exceto para candidato de origem estrangeira;
VIII – Histórico Escolar atualizado até Dez/2008 (contendo notas, unidades de créditos e/ou respectivas cargas horárias das disciplinas cursadas), devidamente autenticados pelas Instituições de Origem;
IX – Programas pormenorizados das disciplinas cursadas, devidamente autenticados pelas Instituições de Origem;
X – Portadores de Diploma de curso superior, cópia (autenticada ou acompanhada do original) do respectivo Diploma Registrado, Histórico Escolar bem como os Programas pormenorizados, solicitados no item anterior.

Ex-alunos da Unicamp formados a partir de 2003 e alunos em curso não necessitam entregar os documentos acima, desde que tenham concluído na Unicamp. Não é aconselhável o comparecimento para a matrícula por meio de procurador, tendo em vista que o interessado deverá solicitar aproveitamento de estudos das disciplinas cursadas fora da instituição. Os candidatos que não constam da lista de aprovados deverão retirar os documentos entregues até 30 dias a partir de hoje, na DAC. A lista de aprovados nos cursos que exigem prova de aptidão só será divulgada no dia 2 de fevereiro, com matrículas no dia 4 do mesmo mês. Este ano, a Unicamp ofereceu 773 vagas, distribuídas entre 53 opções de cursos. Participaram da seleção alunos matriculados em cursos de graduação da Unicamp e de outras instituições do ensino superior, além de portadores do diploma de curso superior. Outras informações podem ser obtidas no site da Unicamp.


Cotas raciais ou sociais?  (Tribuna da Imprensa – Crônicas – 23/01/09)

Muitos leitores disseram que o problema era pobreza e que as cotas deveriam ser raciais: ” e que maneira as cotas raciais podem ser consideradas superiores às sociais? Porque elas impedem os brancos pobres ou porque elas permitem os negros ricos? Se a maioria dos pobres é negro, as cotas sociais já não são uma forma de fazer justiça social, especificamente com quem REALMENTE precisa?” Pesquisa em cima de pesquisa, que passei os últimos meses divulgando, comprovam que negros, pardos e afro-descendentes são consistentemente discriminados – mesmo dentro das mesmas faixas de renda, mesmo dentro das mesmas famílias, mesmo dentro das mesmas salas de aula. Ninguém é contra soluções de distribuição de renda que privilegiem os desprivilegiados de modo geral. Entretanto, dado o nosso racismo galopante, qualquer solução dessas vai tender a ajudar desproporcionalmente os brancos pobres em detrimento dos negros pobres. Qualquer um que saiba (ou sinta na pele) o quanto o Brasil é um país racista sabe que são necessárias políticas públicas *específicas* não apenas para combater os efeitos da pobreza e da desigualdade, mas também do racismo.

Ensino superior ou fundamental?

Muitos leitores questionaram a eficiência de cotas universitárias:

“Eu acho que os descendentes de escravos merecem definitivamente uma reparação, mas não penso serem as cotas universitárias a melhor
maneira de fazer isso. Realmente não acredito na universidade como forma de ascensão social. Grande parte dos graduados que conheço não tiram qualquer proveito dos seus diplomas.” Concordo em gênero, número e grau. O que eu sempre digo é o seguinte: sou a favor de reparações especificamente voltadas para afro-descendentes. Ponto. Nunca falei de cotas universitárias. Quando falo de cotas, é sempre de modo geral e com qualificações: escrevi que cotas são um “bom começo”, pois apesar de falhas, elas são a melhor solução que arranjamos. Com certeza, as reparações aos afro-descendentes deveriam ser muito mais amplas do que somente vagas em universidades e deveriam fazer parte de um projeto geral de revalorização da educação no Brasil.