24/01/2011 / Em: Clipping

 


Ensino superior em retrato  (Editora Segmento – Revista Ensino Superior – Edição 148)

O novo sistema de coleta de dados do Censo da Educação Superior, que passou a incluir informações individualizadas de docentes e alunos, será mantido na próxima etapa do levantamento. Em 2011, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) vai repetir a metodologia e integrar as informações a outros bancos de dados do Ministério da Educação. O preenchimento de dados para o Censo 2010 deve começar na segunda metade de fevereiro, de acordo com o cronograma preliminar do Inep. A novidade será a integração do Censo ao e-MEC, sistema eletrônico que reúne todos os processos ligados às instituições de ensino superior do país. A articulação deve fornecer um quadro mais completo da educação superior e orientar a formulação de políticas públicas para a área. “A integração permitirá que a informação gerada passe a ter papel fundamental para as ações governamentais, além de reduzir a carga de informações solicitada à instituição de ensino superior”, avalia o diretor de Estatísticas Educacionais do Inep, Carlos Eduardo Moreno. O instituto também deve aperfeiçoar os mecanismos de verificação das informações e de migração dos dados, mas a estrutura básica será mantida. O sistema foi bem avaliado por pesquisadores institucionais e, segundo o Inep, não houve grandes contratempos na transmissão dos dados. No total, 2.314 instituições repassaram ao Censo as informações de 2009. “O processo que exigiu maior dedicação tanto das instituições quanto do Inep foi o de migração de dados de instituições que não usaram o sistema on-line”, avaliou Moreno. Para as instituições que já utilizavam bancos de dados digitalizados, o trâmite foi mais simples. O secretário-geral e diretor de Pesquisas Institucionais da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Nelson Callegari, conta que a instituição não teve problemas com o novo sistema e que, apesar da exigência de novos dados, foram necessários apenas alguns ajustes para repassar as informações para a base do Inep. “O processo funcionou bem. Quando se tem a informação disponível, basta fazer uma mera transferência dos dados”, resumiu.

Declaração de igualdade (Editora Segmento – Revista Ensino Superior – Edição 148)

Foi defendendo a igualdade social, em vez de um sistema de cotas destinado exclusivamente aos negros, que a estudante Rejane dos Santos Oliveira, 36 anos, conseguiu o primeiro lugar no Prêmio Incentivo ao Ensino Superior, na 10ª edição do Conic, maior Congresso de Iniciação Científica do Brasil, realizado em novembro último em São Paulo.
Aluna do terceiro ano do curso de direito das Faculdades Integradas Torricelli, em Guarulhos, Rejane disputou o prêmio de R$ 1 mil com mais de 21 estudantes que concorreram na mesma categoria. Para ela, a escolha de seu trabalho pelo júri se deu por conta da polêmica que envolve o assunto. Em um artigo científico de dez páginas intitulado Racismo e Sistema de Reserva de Cotas em Universidades, Rejane, que também é graduada em comércio exterior e pós-graduada em negócios, defende uma revisão na proposta do sistema de cotas. “Somos um país muito miscigenado. O sistema de reserva de cotas não pode ser simplesmente copiado de outros modelos. Temos de adequar a nossa realidade sem ferir o princípio da igualdade e da proporcionalidade”, defende.