25/05/2010 / Em: Clipping

 


24 de maio: Dia do Vestibulando. Como encarar essa fase da vida estudantil?  (UOL – Vestibular – 24/05/10)

Em 24 de maio, comemora-se o dia do vestibulando. As denominações “vestibulando” e “vestibular” estão de tal forma incorporados à nossa linguagem cotidiana, que, ao ouvi-las, pensamos imediatamente no aluno dos cursos preparatórios e nos exames de acesso às universidades. “Vestíbulo” vem do latim vestibulum, que significa “entrada”. Por isso, os exames que precediam o ingresso ao curso superior foram chamadas de “vestibulares”. Inicialmente, a palavra era usada como adjetivo, qualificando o substantivo “exames”. Depois, o tempo se encarregou de simplificar a expressão, gerando o substantivo vestibular, para designar especificamente essas provas.



Unicamp recebe pedido de isenção da taxa do vestibular até sexta-feira  (Globo.Com – G1 Vestibular – 24/05/10)

A Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest) recebe até sexta-feira (28) os pedidos de isenção da taxa de inscrição do vestibular Unicamp 2011. As inscrições devem ser feitas exclusivamente pelo site da Comvest. Depois de preencher o formulário, o candidato deve enviar a documentação necessária (descrita no edital), pelos Correios, para a Comvest até o dia 31 de maio.



Professor analisa novo modelo de redação da Unicamp  (O Estado de S.Paulo – Educação.Edu – 24/05/10)

Uma das maiores mudanças anunciadas no ano passado no Vestibular 2011 da Unicamp diz respeito à redação. Na 1ª fase, os candidatos terão obrigatoriamente de escrever três textos. Os gêneros só serão revelados na hora da prova. Podem variar entre narrativa, dissertação, carta, editorial, e-mail e entrevista, entre outros. A novidade surpreendeu vestibulandos e professores de cursinhos, acostumados com o antigo formato, em que se escolhia uma das três propostas de gênero fixas: narrativa, dissertação e carta. “A ideia não foi tornar a prova mais difícil. Quem sabe escreve bem qualquer tipo de coisa. Os três textos propostos cobrem uma gama razoável das experiências de escrita na vida real”, diz o coordenador da Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp, Renato Pedrosa. Para ter uma amostra de como será o desempenho dos candidatos, o Estadão.edu pediu a quatro alunos do cursinho Etapa que fizessem a redação do simulado realizado pela Unicamp no dia 16. No exame, foi proposto aos alunos que escrevessem, a partir de três coletâneas diferentes, uma carta, um editorial e uma entrevista (neste último caso, com a formulação de perguntas e respostas). O resultado foi avaliado pelo professor de português do Etapa Heric José Palos.

Estudar literatura para o vestibular exige estratégia (O Estado de S.Paulo – Educação.Edu –  24/05/10)

Todo vestibulando sabe como estudar matemática: prestando atenção nas aulas e respondendo a exercícios. Mas poucos montam uma estratégia de estudo de obras de literatura. Para especialistas, a leitura dos clássicos demanda concentração e planejamento, como qualquer outra disciplina.  “É bom fazer fichas com anotações sobre enredo e personagens e montar um esquema do desenvolvimento do conflito”, sugere William Cereja, autor de livros didáticos. “Analisar como o assunto foi abordado em vestibulares anteriores ajuda”, diz a diretora-executiva da Fuvest, Maria Thereza Rocco. Segundo Ana Cláudia Fidelis, que no seu doutorado estudou as listas dos vestibulares, deve-se estabelecer “diálogos” entre obras, apontando semelhanças e diferenças. Maria Thereza concorda: “As questões sempre procuram fazer conexões entre livros da lista.” Para fixar o conteúdo, o candidato deve revisar suas fichas, ler análises sobre a obra e resumos preparados pelos cursinhos. Mas cuidado: resumos não podem ser a única fonte de estudo. “O que distingue o texto literário dos outros é que, resumido, ele perde o essencial”, diz Francisco Savioli, supervisor do Anglo. “O essencial não é só o que foi dito, mas o modo como foi dito.”



Educação – Aumenta o número de universitários na região  (Correio Popular – Cidades – 25/05/10)

A educação privada foi a única responsável pelo aumento das matrículas em instituições de Ensino Superior na região administrativa de Campinas, que compreende 75 cidades. É o que aponta uma pesquisa realizada pelo Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos de Ensino Superior no Estado de São Paulo (Semesp). O número de estudantes matriculados em instituições particulares aumentou 8,5% na região em 2008, com relação ao ano de 2007. Já o Estado de São Paulo apresentou crescimento de 3,9% de alunos matriculados em 2008 e o País, de 4,1%. A evasão escolar também apresentou queda. De acordo com a pesquisa, a região de Campinas apresentava, em 2007, 161 mil alunos matriculados no Ensino Superior e, em 2008, registrou 174,7 mil, um aumento de 8,5%. De acordo com Rodrigo Capelato, diretor-executivo do Semesp e coordenador da pesquisa, vários fatores contribuíram para o aumento. “O crescimento da economia local, a oferta de programas voltados para inclusão e o aumento de instituições particulares e cursos que tenham a ver com a economia local, como as tecnologias e as engenharias, contribuíram para essa elevação nos índices de matriculados”, afirmou Capelato. Para o coordenador da pesquisa, a região é considerada um polo de educação e a oferta supre a demanda. “As pessoas sabem que têm vagas e saem de outras cidades onde a oferta é menor para virem fazer faculdade na região de Campinas”, disse. Suliane Valverde saiu de Mogi Mirim para cursar administração em uma faculdade particular. Como não conseguiria pagar o valor integral da mensalidade, tentou uma bolsa de estudos e foi aprovada em 2008 na Faculdades de Campinas (Facamp). “Prestei o vestibular em universidades públicas e fiquei em lista de espera, mas consegui uma bolsa de estudos primeiro e optei por estudar em Campinas”, disse. Rafael Blanc, de 22 anos, fez o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) duas vezes até ser aprovado no curso de publicidade da Escola Superior de Administração e Marketing (Esamc), em Campinas. “Tentei publicidade na USP (Universidade de São Paulo), mas a concorrência era muito alta. Como não tinha como pagar a mensalidade de uma faculdade particular, tentei bolsa e consegui entrar pelo Pro-Uni (Programa Universidade para Todos, do governo federal)”, afirmou. Outro dado positivo apontado pela pesquisa é a redução na evasão escolar. A região de Campinas apresentou uma queda de 7,7%. Entre os anos de 2007 e 2008, o índice passou de 15,80% para 14,67%, abaixo dos 21,10% apresentados pelo Estado. “As instituições particulares estão aprendendo a lidar melhor com os alunos. Atualmente, se trabalha muito com programas de nivelamento, programas vocacionais e oferta de bolsas ou auxílio. Isso tem ajudado muito na retenção dos alunos nas universidades”, disse o coordenador. No mesmo período, o número de concluintes também aumentou de 65% para 66% na região de Campinas.

Públicas

De acordo com a pesquisa, as instituições públicas na região de Campinas sofreram uma queda de 0,7% no número de matrículas, o que corresponde a 20 mil matrículas no total. Segundo Rodrigo Capelato, a redução se deve à estagnação na oferta de vagas. “O número de vagas não caiu, mas algumas deixaram de ser preenchidas, por isso essa queda foi apontada”, disse.



Termina nesta sexta-feira o prazo para pedir isenção de taxa para o vestibular 2011 da Unicamp (Globo On Line – Vestibular – 24/05/10)

Candidatos interessados na isenção da taxa de inscrição do vestibular Unicamp 2011 têm até a próxima sexta-feira (28), para fazer o pedido. Inscrições somente pela internet ( www.comvest.unicamp.br ). Os documentos pedidos no edital devem ser enviados pelo correio até o dia 31 de maio. A falta de qualquer documento e/ou o envio após o prazo excluem o candidato do processo. As isenções são oferecidas em três modalidades: 1- para candidatos provenientes de família de baixa renda (renda líquida máxima de R$550,00 por morador do domicílio); 2- para funcionários da Unicamp/Funcamp; e 3- para aqueles que se candidatarem aos cursos de Licenciatura em período noturno (Ciências Biológicas, Física, Letras, Licenciatura Integrada Química/Física, Matemática e Pedagogia).



Unicamp encerra na sexta (28) prazo para pedir isenção da taxa do vestibular  (Gazeta do Povo – Vestibular – 25/05/10)

Candidatos interessados na isenção da taxa de inscrição do vestibular da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) têm até sexta-feira (28) para fazer o pedido. O formulário para o pedido está disponível no site da Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest). Para finalizar o processo de inscrição, o candidato deve enviar a documentação necessária (descrita no edital), pelo correio, para a Comvest até o dia 31 de maio. A falta de qualquer documento e/ou o envio após o prazo excluem o candidato do processo.



Universidade, a última moleza da classe média  (Jornal do Brasil – Rio Acima – 25/05/10)

Blog do Flavio Migliaccio

Um amigo me disse certa vez que a universidade é a última moleza que o sistema dá para a classe média. O bem-bom começa lá no jardim da infância, passa pelo colégio e tem seu epílogo na faculdade. Recebido o canudo, pronto: trate de arrumar um emprego e sustentar sua família, porque o mercado de trabalho não está, nem nunca esteve, para brincadeira.
O tema surgiu porque, atualmente, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) debate a adoção do sistema de cotas sociais, para mim uma tentativa válida de corrigir um pouco a desigualdade de oportunidades que marca a história brasileira. Sempre achei um absurdo os jovens que cursam os colégios mais caros passarem para faculdades gratuitas, enquando a turma da escola pública só consegue vaga nas universidades privadas, as mais caras. Estudei jornalismo nesta mesma UFRJ – para onde passei, em grande parte, graças aos bons colégios que meus pais puderam pagar. Colégios, que, diga-se de passagem, apesar de caros, não pagavam lá grandes salários aos ótimos professores que tive.