25/07/2017 / Em: Clipping

 

Saiba como tirar uma boa nota na redação do Enem (Gazeta do Povo – Educação – 25/07/2017)

Candidatos devem se manter atualizados e exercitar a escrita até o dia da aplicação da prova, orientam professores

 O Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), agendado para novembro, tem a redação como o principal desafio dos candidatos inscritos nesta maratona. Para alcançar um bom desempenho, o aluno precisa saber a estrutura do texto dissertativo-argumentativo e dominar a escrita formal da Língua Portuguesa, além de planejar o tempo de execução do teste e conhecer bem o conteúdo aprendido nessa etapa da educação básica. Professor de redação para alunos que vão prestar vestibular, Juliano Mariussi explica que o Enem costuma exigir  temas de ordem social, científica, cultural ou política, com foco na realidade do Brasil. “A ideia inicial do Enem é fazer uma análise de como os alunos estão se formando e o que aprenderam no decorrer do Ensino Médio. Portanto, o recorte dos temas será sempre voltado para o nosso país”, afirma. Uma das dicas, segundo o professor e coordenador de uma unidade de curso preparatório para vestibulares Juliano Munhoz, é listar as ideias iniciais antes de escrever a versão final. “O rascunho pode ser feito em tópicos, dentro de dez a 15 minutos para não tomar muito tempo. Se os tópicos estiverem bem elaborados, é mais fácil fazer uma introdução e o desenvolvimento do texto”, recomenda. Na introdução do texto, as palavras-chave do enunciado da prova e o problema devem estar presentes, alerta Mariussi. Para desenvolver a tese, o aluno deverá apresentar uma opinião a respeito do tema proposto e fazer uma argumentação consistente. Por isso, é importante a prática de leitura e exercícios de escrita até o dia da aplicação do Enem, sugere Mariussi. Ainda, os alunos devem evitar o uso de ideias clichê, agressivas, superficiais, radicais e de termos técnicos, acrescenta Munhoz. As causas e consequências da problemática em análise devem aparecer no segundo e terceiro parágrafos, respectivamente. “No desenvolvimento do texto, é interessante sempre tentar trabalhar os fatores que originaram o problema e usar uma obra literária de cunho nacional, as obras clássicas, como prova da origem desse problema. Em seguida, o aluno pode trazer as consequências”, diz Mariussi. A conclusão da redação do Enem difere dos moldes tradicionais do tipo dissertativo-argumentativo, já que a prova exige a elaboração de uma proposta de intervenção social ao problema. “O aluno pode trazer uma ideia de como o governo deveria intervir e o que sociedade também poderia fazer. Mas o aluno precisa ficar atento porque não é só sugerir. Ele precisa explicar como desenvolver essa intervenção”, enfatiza Mariussi. A redação não pode ter mais do que 30 linhas, e a versão final deve ser escrita em caneta preta. O aluno desenvolverá o texto no primeiro dia de aplicação do exame juntamente com as provas de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, Ciências da Humanas e suas Tecnologias. O candidato terá cinco horas e trinta minutos para cumprir essa etapa. Mariussi recomenda reservar uma hora e quinze minutos para a produção textual. “O ideial é não perder muito tempo e conseguir responder as questões das outras disciplinas do caderno de prova. Também é importante não deixar para a fazer a redação por último.” O texto será corrigido por dois corretores de forma independente e cada um atribuirá uma nota entre 0 e 200 pontos para cada uma das cinco competências. A nota da redação varia entre zero e 1000 pontos. Mais informações podem ser consultadas no site www.enem.inep.gov.br.

Como fazer a redação do Enem, segundo informações do guia do Inep e dicas dos professores Munhoz e Mariussi

Introdução: Apresentar a tese, que é a ideia que vai ser defendida no texto, e relacioná-la ao tema proposto. O aluno deve escolher, preferencialmente, um ponto de vista sobre o qual tenha domínio. Também é importante não cometer erros gramaticais ou de convenções da escrita, organizar o texto em parágrafos bem construídos e articulados entre si e, utilizar as palavras-chave do enunciado da prova e, por fim, expor a problemática já no primeiro parágrafo.

Desenvolvimento: Apresentar justificativas consistentes em relação à tese e responder “por quê?” para cada uma delas para convencer o leitor a concordar com a opinião defendida. Utilizar desde exemplos, dados estatísticos, pesquisas a fatos comprováveis, citações ou depoimentos de pessoas especializadas no assunto. Apresentar as causas e as consequências do problema, respectivamente, no segundo e terceiro parágrafos. “Quanto mais o aluno conseguir demonstrar esse conhecimento, mesclando as disciplinas é mais importante para os critérios de avaliação do Enem, pois demonstrará o nível de conhecimento dele”, diz Mariussi.

Conclusão: O aluno deve retomar as ideias expostas na introdução, as justificativas que confirmam a tese e encerrar o debate. Diferentemente dos moldes tradicionais do texto dissertativo-argumentativo, a redação do Enem exige como conclusão uma proposta de intervenção social para o problema apresentado no desenvolvimento do texto, respeitando os direitos humanos. “Evitar os clichês e o senso comum já estipulado em outros momentos. A ideia de conscientização, por exemplo, é algo completamente abstrato, uma questão muito vaga. Também não sugerir como solução fatos inviáveis de serem colocados em prática no Brasil”, orienta Mariussi.

Quais as razões para se atribuir nota zero a uma redação?

A redação receberá nota 0 (zero) se apresentar uma das características a seguir:

– fuga total ao tema;

– não obediência à estrutura dissertativo-argumentativa;

– extensão de até 7 linhas;

– cópia de texto motivador;

– impropérios, desenhos e outras formas propositais de anulação;

– parte deliberadamente desconectada do tema proposto;

– desrespeito aos direitos humanos; e

– folha de redação em branco, mesmo que haja texto escrito na folha de rascunho.