26/09/2016 / Em: Clipping

 


ENEM E VESTIBULARES DEVEM SE ADEQUAR AO NOVO ENSINO MÉDIO (Brasil Escola – 23/09/2016)

Conteúdos das provas e exigências sofrerão mudanças nos próximos anos.

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e vestibulares terão que se adequar às exigências da Medida Provisória (MP) nº 746 do Novo Ensino Médio. O documento com as normas que modificam a configuração do ensino médio brasileiro foi publicado na tarde desta sexta-feira, 23 de setembro. 

Confira como será o novo ensino médio
Segundo o texto da Medida Provisória, que altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), os processos seletivos para ingresso no ensino superior deverão abordar exclusivamente o conteúdo previsto na Base Nacional Comum Curricular (BNCC), exigindo apenas as habilidades e expectativas definidas pelo documento. 

As instituições de ensino tinham, até a publicação da MP, autonomia para definir a composição de seus vestibulares. Com a mudança, as seleções serão compostas pelas disciplinas que farão parte da BNCC, a qual será definida pela União, estados e Distrito Federal e passará pela aprovação Conselho Nacional de Educação até meados de 2017. 
Os novos modelos para Enem e vestibulares não valerão para 2016 e, talvez, só entrem em vigor em 2018, já que a BNCC só será definida no decorrer do próximo ano. 

Novo Ensino Médio
As 13 disciplinas que compõem o ensino médio (artes, educação física, português, matemática, física, química, biologia, geografia, história, filosofia, sociologia, espanhol e 2ª língua estrangeira) podem fazer parte da BNCC, que será obrigatória do 1º ano até a primeira metade do 2º ano. 

O restante do ensino médio será composto pela área que o estudante escolher, visando suas preferências e habilidades com as disciplinas. A Medida Provisória prevê que os conteúdos sejam divididos pelas áreas de Linguagens, Matemática, Ciências Humanas, Ciências da Natureza e Formação Técnica e Profissional.

Apesar do novo modelo, as disciplinas de português, matemática e inglês serão obrigatórias durante os três anos. Tais conteúdos serão combinados com as áreas específicas escolhidas para a segunda metade do ensino médio. 

Uma polêmica foi gerada com a nova MP: o caráter opcional de algumas disciplinas. Educação Física e Artes tornam-se obrigatórias apenas para a educação infantil e fundamental, enquanto Filosofia e Sociologia podem ser parte integrante de Ciências Humanas.

Outras mudanças
Outras características do ensino médio envolvem o aumento gradual da carga horária (tornando-se integral), organização em créditos ou módulos, aproveitamento de créditos no ensino superior e a abertura das aulas para professores de outras áreas de formação (engenheiros poderão dar aulas de matemática, por exemplo).



Proposta de reforma do Ensino Médio gera críticas de educadores (G1 – 23/09/2016)

Em encontro no Rio, educadores criticaram currículo sem educação física.
Projeto irá ao Conselho Nacional de Educação, diz secretária do MEC.

As mudanças no Ensino Médio, anunciadas na quinta-feira (22), provocaram a críticas de educadores. Um dos pontos mais polêmicos é que educação física e artes, por exemplo, não aparecem como disciplinas obrigatórias.
As mudanças propostas pelo governo foram publicadas nesta sexta-feira (23) no Diário Oficial. Estão na medida provisória, e esse foi o primeiro problema apontando por educadores.

“Nos preocupa porque consideramos fundamental que toda medida, toda política educacional seja fruto de uma discussão que envolva professores, gestores, família e alunos do Ensino Médio que tanto tem a dizer”, disse Ana Helena Altenfelder, Centro Estudos e Pesq. em Educação.

“O que nós teremos é uma nova base nacional curricular comum que será discutida e depois encaminhada ao Conselho Nacional, que provavelmente será aprovada no ano que vem, no segundo semestre do ano que vem, e a próxima base nacional curricular comum deverá também manter a educação física e a arte, o ensino de artes como componente de ensino curricular obrigatório dentro das áreas de conhecimento que poderão ser flexibilizadas”, afirmou.