27/04/2015 / Em: Clipping

 


Aula na USP sobre racismo e QI vira alvo de protesto de estudantes negros    (Globo.Com – G1 Vestibular – 25/04/15)

Uma aula de pós-graduação do Instituto de Biologia da Universidade de São Paulo (USP) virou alvo de uma manifestação do coletivo Ocupação Preta, formado por estudantes negros e negras da instituição com o objetivo de debater o racismo no campus e defender a criação de cotas raciais na universidade. Na quarta-feira (22), a disciplina English for Science (Inglês para a Ciência), ministrada pelo pesquisador britânico Peter Lees Pearson para estudantes de mestrado e doutorado da USP, foi “ocupada” por um grupo de cerca de dez estudantes do coletivo, interessados em debater o artigo indicado pelo professor para ser lido e discutido em aula. Em uma nota de repúdio publicada no Facebook nesta sexta (24), o coletivo, que preferiu não indicar um porta-voz para dar entrevistas, afirmou que decidiu fazer a intervenção surpresa na aula para chamar a atenção para o fato de que apenas um entre os cerca de 20 alunos matriculados na disciplina é negro, e por causa do “conteúdo extremamente racista e ofensivo do material proposto”. Em entrevista ao G1, o professor Pearson explicou que a disciplina tem como foco principal a prática do inglês oral e escrito, e que todas as semanas indica artigos de áreas diversas, mas sem aprofundamento específico, sobre os quais os alunos precisam ler e opinar durante a aula, em inglês, para depois redigir uma dissertação, também na língua inglesa. “Houve uma grande deturpação. Eles disseram que eu mudei a língua da aula para o inglês para eles não entenderem, mas a minha aula é em inglês, a disciplina chama Inglês para a Ciência”, explicou o professor. “Eles não foram convidados. Eles simplesmente entraram, disseram que queriam discutir uma questão, eu disse que tudo bem, mas eles não queriam fazer isso em inglês, e eu disse que minha aula era em inglês.” Segundo o grupo, o professor teve uma postura “extremamente racista” porque defendeu subjetivamente o texto e não valorizou o diálogo, “diversas vezes batendo palmas em cima da falas dos estudantes negros, dizendo ‘Shut up!’ e se recusando a fazer a discussão em português, mesmo sabendo que havia estudantes que não entendiam inglês e por isso, não podiam se defender”. Ao G1, Pearson negou a acusação de racista, e disse que se sentiu “extremamente ofendido” pelo ato. “Eles começaram a gritar ideologias e slogan políticos, ocuparam quase duas horas das quatro horas da aula, em detrimento dos meus alunos.”