27/10/2017 / Em: Clipping

 

Unicamp divulga nesta sexta-feira os locais de provas do vestibular 2018 (G1 – Campinas e Região – 27/10/2017)

Primeira fase será no dia 19 de novembro e instituição divulgou que são 83.779 candidatos

A Unicamp divulga nesta sexta-feira (27) os locais de provas do vestibular 2018. As escolas onde os exames serão feitos estarão disponíveis no site da Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest), a partir das 9h. Em Campinas ,são seis locais para os inscritos, sendo que o campus da universidade é um deles. A primeira fase será no dia 19 de novembro e conta com 90 questões de múltipla escolha. Neste ano são 83.779 inscritos, que é o novo recorde, segundo a Comvest. O aumento em relação ao teste anterior é de 14%. Para a instituição, o aumento está ligado ao fato da ampliação das provas nas cidades de Belo Horizonte, Fortaleza, Indaiatuba e Valinhos, além do crescimento do número de candidatos isentos do pagamento da taxa de inscrição, de R$ 165.

Cidades com provas em 2018

As cidades do estado de São Paulo com provas são: Araçatuba, Avaré, Bauru, Botucatu, Bragança Paulista, Campinas, Franca, Guaratinguetá, Guarulhos, Indaiatuba, Jundiaí, Limeira, Marília, Mogi das Cruzes, Mogi Guaçu, Osasco, Piracicaba, Presidente Prudente, Registro, Ribeirão Preto, Santo André, Santos, São Bernardo do Campo, São Carlos, São João da Boa Vista, São José do Rio Preto, São José dos Campos, São Paulo, Sorocaba, Sumaré e Valinhos. Fora do estado, Belo Horizonte (MG), Fortaleza (CE) e Brasília (DF).

Inscritos

Neste ano são 3.340 vagas distribuídas em 70 cursos de graduação e os cursos mais concorridos são: medicina, com 279 candidatos por vaga e arquitetura e urbanismo, com 97 inscritos por vaga. A segunda fase do vestibular será no ano que vem, nos dias 14, 15, e 16 de janeiro.

 

Justiça suspende regra que zera redação do Enem com desrespeito aos direitos humanos (G1 – Educação – 26/10/2017)

Decisão é provisória e foi tomada em ação civil pública movida pela Associação Escola Sem Partido. Inep informou que vai recorrer.

A Justiça Federal suspendeu o item do edital do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) que prevê nota zero para quem desrespeitar os direitos humanos na redação. A decisão, divulgada nesta quinta-feira (26), é provisória e foi tomada em ação civil pública movida pela Associação Escola Sem Partido. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pela aplicação do Enem, informou que não foi notificado oficialmente, mas assim que for, irá recorrer. A redação do Enem será aplicada no primeiro domingo de provas, 5 de novembro.

No pedido em tramitação no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), a Associação Escola Sem Partido sustenta que a regra não apresenta critério objetivo e tem “caráter de policiamento ideológico”. “Ninguém é obrigado a dizer o que não pensa para entrar na universidade. O edital viola o direito de livre expressão do pensamento do candidato”, diz Romulo Martins Nagib, advogado do movimento, em entrevista ao G1. Em sua decisão, o desembargador federal Carlos Moreira Alves, do TRF1, afirma que o “conteúdo ideológico do desenvolvimento do tema da redação é, ou deveria ser, um dos elementos de correção da prova discursiva, e não fundamento sumário para sua desconsideração, com atribuição de nota zero ao texto produzido, sem avaliação alguma em relação ao conteúdo intelectual desenvolvido pelo redator.”  O desembargador argumenta ainda que há “ausência de um referencial objetivo no edital dos certames” e que a “ofensa à garantia constitucional de liberdade de manfestação de pensamento e opinião também é vertente dos direitos humanos propriamente ditos.” Desde o ano passado, após questionamento do Ministério Público Federal em Goiás, o Inep passou a divulgar nos manuais de redação o detalhamento do que é a noção de direitos humanos que precisa ser respeitada no texto.

Inep diz que vai recorrer

Em nota divulgada na tarde desta quinta, o governo federal afirmou que respeita a decisão judicial, mas que vai recorrer da sentença assim que for notificado. Ainda segundo o Inep, “estão mantidos os critérios de avaliação das cinco competências da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem 2017), tal como divulgados, amplamente, em seus documentos oficiais”. A autarquia voltou a defender a legalidade do edital. “O Ministério da Educação (MEC) reafirma que todos os seus atos são balizados pelo respeito irrestrito aos Direitos Humanos, conforme a Declaração Universal dos Direitos Humanos, consagrada na Constituição Federal Brasileira”, diz o comunicado.

O que é desrespeito aos direitos humanos?

De acordo com o Inep, uma das competências exigidas para a redação do Enem é elaborar uma “proposta de intervenção” para o problema abordado no tema da redação. A proposta precisa respeitar os direitos humanos. No manual de redação divulgado pelo Ministério da Educação como guia para os candidatos, há exemplos de ideias que ferem os direitos humanos e receberiam nota zero. São elas:

defesa de tortura;

mutilação;

execução sumária;

qualquer forma de “justiça com as próprias mãos”, isto é, sem a intervenção de instituições sociais devidamente autorizadas (o governo, as autoridades, as leis, por exemplo);

incitação a qualquer tipo de violência motivada por questões de raça, etnia, gênero, credo, condição física, origem geográfica ou socioeconômica;

explicitação de qualquer forma de discurso de ódio (voltado contra grupos sociais específicos).

O manual esclarece que qualquer menção ou apologia a tais ideias em qualquer parte da redação levaria à anulação do texto.

Exemplos de frases “nota zero”

O MEC divulgou alguns exemplos de trechos que levaram à atribuição de nota zero a redações de participantes do Enem 2016 por ferirem os direitos humanos. No ano passado, o tema foi “Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil”. Veja trechos com desrespeito aos direitos humanos escritos pelos candidatos:

“para combater a intolerância religiosa, deveria acabar com a liberdade de expressão”;

“podemos combater a intolerância religiosa acabando com as religiões e implantando uma doutrina única”;

“o Estado deve paralisar as superexposições de crenças e proibir as manifestações religiosas ao público”;

“a pessoa que não respeita a devoção do próximo não deveria ter direito social, como o voto”;

“a única maneira de punir o intolerante é o obrigando a frequentar a igreja daquele que foi ofendido, para que aprenda a respeitar a crença do outro”;

“que o indivíduo que não respeitar a lei seja punido com a perda do direito de participação de sua religião, que ele seja retirado da sua religião como punição”;

“por haver tanta discriminação, o caminho certo que se tem a tomar é acabar com todas as religiões”;

“que a cada agressão cometida o agressor recebesse na mesma proporção, tanto agressão física como mental”;

“o governo deveria punir e banir essas outras “crenças”, que não sejam referentes a Bíblia”.

 


Locais de prova da 1ª fase do Vestibular 2018 da Unicamp já estão disponíveis (Brasil Escola – Notícias – 27/10/2017)

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) liberou nesta sexta-feira, 27 de outubro, o acesso aos locais de prova da primeira fase do seu Vestibular 2018, que acontecerá em 19 de novembro. A consulta pode ser feita pelo nome ou número de inscrição do candidato. A seleção acontecerá em Araçatuba, Avaré, Bauru, Botucatu, Bragança Paulista, Campinas, Franca, Guaratinguetá, Guarulhos, Indaiatuba, Jundiaí, Limeira, Marília, Mogi das Cruzes, Mogi Guaçu, Osasco, Piracicaba, Presidente Prudente, Registro, Ribeirão Preto, Santo André, Santos, São Bernardo do Campo, São Carlos, São João da Boa Vista, São José do Rio Preto, São José dos Campos, São Paulo, Sorocaba, Sumaré e Valinhos, além de Belo Horizonte, Brasília e Fortaleza. No total, são esperados 83.782 candidatos. Eles farão as provas das 13h às 18h, quando responderão 90 questões objetivas de Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa, Matemática, História, Geografia (incluindo Filosofia e Sociologia), Física, Química, Biologia e Inglês mais 12 questões interdisciplinares.

Orientações

É recomendável que os vestibulandos se apresentem com uma hora de antecedência portando o documento de identidade indicado na inscrição, cenateas de cor preta em material transparente, lápis preto e borracha. Régua transparente e compasso também serão permitidos. Em contrapartida, não serão liberados aparelhos celulares ou quaisquer outros equipamentos eletrônicos, relógios digitais, corretivo líquido, lapiseira, caneta marca texto, bandana/lenço, boné, chapéu, ou outros materiais estranhos à prova. O tempo mínimo para resolução das provas é de três horas e trinta minutos.

Resultados

A lista de aprovados na 1ª fase será publicada em 11 de dezembro, junto com os locais de prova da 2ª etapa, que acontecerá nos dias 14, 15 e 16 de janeiro de 2018 e contará com redação e questões discursivas. Já as notas serão liberadas em 21 de dezembro. Candidatos aos cursos de Música, Arquitetura e Urbanismo, Artes Cênicas, Artes Visuais e Dança passarão, ainda, pelos Testes de Habilidades Específicas nos meses de setembro, outubro e janeiro, conforme a graduação escolhida. A divulgação da primeira chamada está prevista para 8 de fevereiro de 2018 com matrículas para o dia seguinte. No total, serão realizadas 12 convocações até o mês de março. A oferta é de 3.340 vagas em 70 cursos ministrados em Campinas, Limeira e Piracicaba, no interior de São Paulo. Outros detalhes podem ser obtidos no Manual do Candidato ou na Revista do Vestibulando.

 


Unicamp divulga locais de prova do Vestibular 2018 (A Tribuna – Notícias – 27/10/2017)

Primeira fase do exame, com prova de múltipla escolha, ocorrerá no dia 19 de novembro

Já estão disponíveis para consulta os locais de prova da primeira fase do vestibular da Unicamp. Os candidatos podem acessar as informações no site www.comvest.unicamp.br. Para a consulta é necessário apenas digitar o nome ou o número de inscrição. A primeira fase do vestibular acontece no dia 19 de novembro e a segunda será nos dias 14, 15 e 16 de janeiro de 2018. O primeiro exame será composto de 90 questões de múltipla escolha, distribuídas da seguinte maneira: 13 questões de Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa, 13 questões de Matemática, 9 questões de História e 9 questões de Geografia (incluindo Filosofia e Sociologia), 9 questões de Física, 9 questões de Química, 9 questões de Biologia, 7 questões de Inglês, além das 12 questões interdisciplinares. Cada questão tem quatro alternativas. Estão inscritos 83.779 candidatos. Eles disputam a 3.340 vagas distribuídas em 70 cursos de graduação. Este ano, a relação de candidatos por vaga passou de 22,1% para 25%.

 


Unicamp divulga locais de provas do vestibular 2018 (Correio Popular – Campinas e RMC – 27/10/2017)

A Unicamp divulgou os locais de provas do vestibular 2018. As informações são da Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest). Em Campinas, são seis os locais de exame para os inscritos. A primeira fase será no dia 19 de novembro e conta com 90 questões de múltipla escolha. São 83.779 os inscritos no vestibular 2018.

 


Unicamp divulga locais de prova da 1ª fase do vestibular 2018 (Guia do Estudante – Universidades – 27/10/2017)

A prova acontece no dia 19 de novembro, com início às 13h e abertura dos portões às 12h

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) liberou, nesta sexta-feira (27), o acesso aos locais de prova da primeira fase do vestibular 2018. A prova acontece no dia 19 de novembro, com início às 13h, horário de Brasília. A abertura dos portões é às 12h. A edição 2018 teve recorde de inscritos: 83.779, 10 mil a mais do que o registrado no ano passado, um aumento de 14%. Antes, o maior número de inscritos havia sido registrado no vestibular 2016, que teve 77 mil inscritos. Também houve recorde de candidatos isentos da taxa de inscrição, com 8.650 estudantes. O período para se candidatar ao exame terminou em 31 de agosto. O percentual de candidatos oriundos de escolas da rede pública inscritos aumentou para 30,7%, contra 30,2% no ano passado. Já o percentual de candidatos autodeclarados pretos, pardos ou indígenas passou de 20,3% no ano anterior para 22,4% do total de inscritos.

Concorrência

As carreiras mais concorridas do vestibular são Medicina, com 279 candidatos por vaga; Arquitetura e Urbanismo (97,6); Ciências Biológicas (51,8); Comunicação Social-Midialogia (48,5); Engenharia Química (34,8); Odontologia (32,1); História (31,8); Engenharia Civil (31,7); Engenharia de Produção (31,6) e Artes Cênicas (31,5).

Provas

A primeira fase do vestibular será realizada em 19 de novembro e a segunda fase acontecerá nos dias 14, 15 e 16 de janeiro de 2018. Antes da primeira fase, haverá provas de habilidades específicas para candidatos aos cursos de Música (no período de 11 a 18 de setembro – Etapa I e de 15 a 16 de outubro – Etapa II). Para os demais cursos que exigem provas específicas (Arquitetura e Urbanismo, Artes Cênicas, Artes Visuais e Dança), as provas de habilidades específicas ocorrerão no período de 22 a 25 de janeiro de 2018.

 

USP lidera ranking de melhores universidades da América Latina (Guia do Estudante – Universidades – 26/10/2017)

Das 20 melhores universidades da região, 10 são brasileiras; veja a lista

Desbancada do posto de melhor universidade da América Latina pela Universidade Católica do Chile (UC) no conceituado ranking da consultoria britânica QS, a Universidade de São Paulo (USP) aparece na 1ª posição, à frente da rival chilena, em novo levantamento divulgado pelo jornal “U.S. News”. A diferença entre as duas primeiras colocadas é de quase 10 pontos: a instituição brasileira  tem 61,4 como nota geral, contra 51,7 da concorrente chilena. No comparativo global, a USP conquistou a 153º posição, enquanto a UC ficou em 315º lugar. O Brasil levou a melhor no ranking latino como um todo: das 20 melhores universidades da região, 10 são do país. A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFJR), a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) são as mais bem avaliadas depois da USP. Para elaborar o levantamento, feito em parceria com a consultoria de análise de dados Clarivate Analytics InCites, o jornal “U.S. News” estudou 1295 instituições de ensino superior de 74 países. O posto de melhor universidade do planeta, na edição deste ano, ficou com Harvard. A lista global deu origem a rankings locais de seis regiões do globo: África, Ásia, Oceania, Europa, América do Norte e América Latina. A metodologia das avaliações regionais é baseada inteiramente na posição que cada instituição conquistou no ranking mundial. Ao contrário da QS, que colocou a USP atrás da UC, o “U.S. News” baseia sua avaliação predominantemente sobre critérios de pesquisa científica, produção e eventos. A nota de cada universidade é calculada de acordo com 13 fatores, que incluem reputação global e regional da pesquisa desenvolvida pela instituição, número de publicações, livros e eventos acadêmicos, impacto das citações em periódicos científicos, colaboração internacional, entre outros.