29/08/2017 / Em: Clipping

 

A quem interessa a falência do ensino público superior no Brasil (Jornal Cruzeiro do Sul – Artigos – 29/08/2017)

Descontado todo o caótico cenário político e financeiro pelo qual o País passa, vivem hoje as Universidades Públicas um desleal e covarde ataque à sua existência, ora por parte de uma classe política inescrupulosa e incompetente no qual o governo do Estado é o seu principal agente, ora por parte de uma imprensa movida por interesses nada públicos. Vou invocar o que imagino atualmente ser uma constatação nada retórica de que boa parte dos leitores que possam estar lendo este artigo seja remanescente da minha faixa etária, e como eu, sabem exatamente o que já aconteceu com o ensino público básico, fundamental e médio, tanto no Estado de São Paulo como no resto do País. Você hoje com filhos em fase pré-vestibular sabe o que aconteceu no Estado de São Paulo com esse ensino público. Sabe você tanto quanto eu que para que seu filho possa ter alguma chance de ascender a um ensino público superior de qualidade, você teve com certeza que cumprir o papel do Estado de oferecer um ensino básico, fundamental e médio de boa qualidade. Ou em poucas palavras, pagar escola particular e cursinho a seu filho. Como relembrar é contar a história, vamos fazer este exercício lembrando que até início dos anos 80, o ensino público básico, fundamental e médio era de uma época em que nossas escolas se caracterizavam por serem espaços públicos de aprendizado e excelência, nossos professores eram mestres respeitados e valorizados, tanto pela sociedade como pelo Estado. Infelizmente hoje nossas escolas públicas são espaços sucateados e nossos professores chegam a ser espancados, culpa de um Estado descomprometido com a sua valorização e principalmente com a qualidade do ensino público. Possivelmente poucos se lembram, mas o primeiro ato de desconstrução do ensino básico, fundamental e médio teve início por volta dos anos 90 quando o governo de plantão decidiu transferir o ensino básico para os municípios, porém sem os recursos necessários para tal. O golpe mortal veio pela mão mais uma vez do governo quando criou o modelo de progressão de séries sem o aluno poder ser reprovado. Deu no que deu, atingiu de forma mortal a capacidade de discernimento e de formação dos nossos alunos do ensino público básico, fundamental e médio. Assim, retornamos ao ensino público superior. Há uma imensa campanha movida por autoridades do Estado e alguns setores de imprensa acusando as Universidades Públicas Paulistas, leia-se Unesp, USP e Unicamp, de receberem grandes volumes de recursos e não darem retorno a sociedade. A expansão sem recursos promovida pelo próprio governo estadual nas três universidades a partir dos anos 2000, sem a injeção de recursos necessários para o seu custeio, gerou hoje a dita insuficiência financeira. Essa expansão corresponde aproximadamente a 19,5% dos repasses oriundos do ICMS realizados pelo governo para a Unesp, Unicamp e USP. E essa fração deverá alcançar algo em torno de 30% em 2026. Visto como o Estado, através de uma política expansionista, desequilibrou o repasse dos recursos devidos às instituições de ensino superior, é muito provável que em breve — como já chamei a atenção — tenhamos no ensino público superior o mesmo sucateamento observado no ensino público básico, fundamental e médio. Para que isto não ocorra é preciso que a sociedade paulista comece a se movimentar. O caos está anunciado, cabendo a você cidadão, que em breve sabe que terá que buscar uma opção de ensino de qualidade para seu filho ser um profissional competente, com potencial para inserção em um mercado de trabalho cada vez mais competitivo, levantar esta bandeira. Cobrar de seu deputado, vereador ou governante de plantão a manutenção desse patrimônio educacional que foi construído pela da sociedade paulista. Pois, ao contrário, em breve teremos, da mesma forma como no ensino público básico, fundamental e médio, que recorrer às escolas privadas para atingir este objetivo.

 


Ministério da Educação divulga balanço e data para Encceja 2017 (Portal Brasil – Educação – 29/08/2017)

Exame será realizado no dia 22 de outubro em mais de 500 municípios distribuídos em todas as regiões e unidades da Federação

O Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos para residentes no Brasil (Encceja Nacional) teve 1.573.862 inscritos para a edição de 2017. O balanço foi divulgado nesta terça-feira (29) em coletiva no Ministério da Educação. Do total, 301.583 farão provas para o ensino fundamental e 1.272.279 para o ensino médio. O exame está marcado para o domingo 22 de outubro e será aplicado em 564 municípios distribuídos em todas as unidades da Federação. De acordo com o ministro da Educação, Mendonça Filho, o número de inscritos superou as expectativas. “É o alcance de etapas importantes na formação educacional. Significa, em termos práticos, a possibilidade de buscar um curso profissional, um melhor emprego, uma melhor oportunidade de trabalho”, disse. A secretária executiva do MEC, Maria Helena Guimarães de Castro, lembrou que 55% dos brasileiros, em idade ativa no mercado de trabalho, não tem o ensino fundamental completo. “Esses são os últimos números do IBGE e abrangem desde os 15 até os 55 anos de idade. Exames desse tipo ajudam a diminuir esses números”, afirmou. Do total de inscritos para a avaliação do ensino fundamental (301.583), a maioria (71.638) tem entre 31 e 40 anos de idade. Já a maioria (387.697) dos inscritos para o Ensino Médio (1.272.279) tem entre 23 e 30 anos. São Paulo foi o estado com o maior número de inscritos que desejam obter certificados, tanto para ensino médio quanto para o ensino fundamental.

Encceja

Com as mudanças e o aperfeiçoamento do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano, o papel de certificação dos ensinos fundamental e médio voltou a ser realizado pelo Encceja. As provas do Encceja obedecem a requisitos básicos, estabelecidos pela legislação em vigor, para o ensino fundamental e ensino médio e são estruturadas a partir da Matriz de Competências e Habilidades. O Exame tem quatro provas objetivas, cada uma com 30 questões de múltipla escolha, e uma proposta de redação. As provas serão aplicadas no turno matutino, entre 8h e 12h, e vespertino, entre 14h30 e 19h30 (Horário Oficial de Brasília).

 


Encceja registra 1,57 milhão de inscritos para a edição 2017 (Isto É – Geral – 29/08/2017)

O Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja) registrou 1.573.862 inscritos para a edição de 2017, segundo balanço divulgado hoje (29) pelo Ministério da Educação. Direcionado a jovens e adultos que não tiveram a oportunidade de concluir estudos em idade própria, o exame será aplicado no dia 22 de outubro em 564 municípios localizados em todas as unidades federativas. A participação é permitida para pessoas com, no mínimo, 15 anos de idade, para quem busca a certificação do ensino fundamental; e 18 anos para quem quer concluir ensino médio. Segundo o ministro da Educação, Mendonça Filho, esses exames têm “grande importância social”, ao possibilitar que os cidadãos busquem cursos profissionais ou empregos de melhor qualidade. “Além disso, representa a possibilidade de dar mais dignidade e respeito à pessoa humana. Na prática, significa inclusão social”, completou. No caso do ensino fundamental, foram registradas 301.583 inscrições. Desse total, cerca de 71,6 mil têm entre 31 e 40 anos; 152.290 são mulheres; e 149.293 são homens. Ainda segundo o balanço, 132.263 candidatos se autodeclararam pardos; 117.592, brancos; 34.433, pretos; 4.994, amarelos; 2.114, indígenas; e 10.187 não quiseram se autodeclarar. Para o ensino médio foram 1.272.279 inscrições. Desse total, 387.697 têm entre 23 e 30 anos. “O número de mulheres que se inscrevem (637.281) continua sendo maior, na comparação com os homens (634.998)”, explicou a presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Maria Inês Fini. Ainda segundo o balanço relativo ao ensino médio, 556.132 candidatos se autodeclararam pardos; 494.138 se declararam brancos; 150.489, pretos; 24.465, amarelos; 7.657, indígenas; e 39.398 optaram por não se autodeclarar. Tendo por base dados do Instituto Brasileiro de Geografia Estatística, a secretária executiva do MEC, Maria Helena Castro, disse que, do total da população brasileira, 55% com idade entre 15 e 55 anos não têm curso fundamental completo. Por isso, acrescentou, “apesar de os números apresentados hoje serem significativos, podem ser melhorados”, afirmou. O estado que registrou o maior número de inscritos para a obtenção de certificado de ensino médio foi São Paulo (233.056), seguido de Minas Gerais (123.626); do Paraná (119.963); Rio de Janeiro (117.024); e Rio Grande do Sul (105.747). São Paulo foi também o estado com mais inscritos para o ensino fundamental (50.487), seguido do Rio Grande do Sul (33.642); Paraná (30.639); de Minas Gerais (29.107); e do Rio de Janeiro (19.942). Pessoas privadas de liberdade e jovens que cumprem medida socioeducativa poderão fazer o Encceja nos dias 24 e 25 de outubro. Para brasileiros residentes no exterior, a prova será no dia 10 de setembro. Residentes no exterior, privados de liberdade ou que cumprem medidas socioeducativas, farão os exames entre 11 e 22 de setembro. Segundo a presidente do Inep, o MEC tem recebido pedidos de muitas embaixadas para ampliar o número de países onde o exame é aplicado. “Estamos totalmente à disposição”, disse ela. O exame consiste em quatro provas objetivas, cada uma com 30 questões de múltipla escolha, e uma proposta de redação. Para obter o certificado ou declaração de proficiência, o participante deve completar, no mínimo, 100 pontos em cada uma das áreas de conhecimento. Até o ano passado, os estudantes com mais de 18 anos poderiam usar o desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para receber o diploma do ensino médio. Agora, a certificação será feita exclusivamente pelo Encceja.

 


‘Situação financeira enfrentada pela Unicamp é dramática’, afirma reitor (Folha de São Paulo – Educação – 28/08/2017)

Reitor aos 49 anos daquela que foi escolhida recentemente como a melhor universidade da América Latina, Marcelo Knobel não usa meias palavras. Em sua opinião, a crise financeira vivida pela Unicamp é “dramática”. O teto salarial de R$ 21 mil das universidades estaduais paulistas, afirma, é um “risco seríssimo” à capacidade das instituições de atrair os melhores profissionais. E, por fim, o ensino superior no Brasil é muito “engessado” e precisa de currículos flexíveis.

Marcelo Knobel, 49

Nascimento

Buenos Aires, em 1968

Formação

Bacharel em Física, é doutor em ciências pela Unicamp.

Possui, também, pós-doutorado pelo Istituto Elettrotecnico Nazionale Galileo Ferraris, na Itália, e pelo Instituto de Magnetismo Aplicado, na Espanha

Carreira

– Reitor da Unicamp

– Professor titular do Departamento de Física

Ele diz ainda que mudanças no vestibular são bem-vindas e defende as cotas para negros e estudantes de escola pública. Em maio deste ano, a universidade aprovou um projeto de cotas mais ambicioso do que o previsto nas universidades federais, e que será decidido em novembro. Knobel prevê que a Unicamp tenha metade dos alunos de escola pública. O objetivo é que essa proporção seja atingida por curso e turno. Neste ano, pela primeira vez isso ocorreu entre os ingressantes. Prevê ainda a meta de 37,5% de alunos autodeclarados pretos, pardos e indígenas em relação ao total de alunos (e não só à metade reservada à escola pública, como ocorre nas federais). Físico, Knobel inicia a gestão em um momento difícil para as três universidades estaduais paulistas. Com receita vinculada à arrecadação do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), as três viram os recursos minguarem com a crise econômica no país. Os gastos com funcionários, porém, continuaram a subir. A Unicamp deve terminar o ano com deficit de mais de R$ 200 milhões.

*

Folha – Como o sr. quer que seja lembrada sua administração na Unicamp?

Marcelo Knobel – Há muitas coisas que quero fazer. Posso citar algumas. Quero ser lembrado pela recuperação financeira da Unicamp em um momento muito crítico para a universidade pública. Faremos um esforço pelo equilíbrio financeiro. Pretendo abrir um debate para melhorar o currículo e, seguindo a tradição da universidade, incentivar a inovação.

Qual é a situação financeira da universidade hoje?

A situação é dramática. Temos um deficit de mais de R$ 200 milhões e não podemos nem queremos fazer demissões. Vamos tomar medidas para melhorar a gestão e reorganizar algumas áreas.

O que pode ser reorganizado?

A Unicamp, como as outras universidades estaduais paulistas, cresceu muito, rapidamente, respondendo a algumas demandas de expansão. Alguns processos, porém, não se modernizaram na mesma velocidade. Há alguns setores mais inchados do que outros. Hoje temos 650 contratos ativos. É preciso pensar em mecanismos de acompanhamento deles, ver quais podem ser renegociados ou não etc.

É possível reduzir a dependência do ICMS?

As três universidades públicas paulistas fizeram um esforço importante de ampliação da oferta de vagas no início dos anos 2000, com a promessa de um adicional de recursos que nunca veio. Uma tema urgente a resolver é o do hospital. A Unicamp tem um complexo hospitalar, atendemos uma população da ordem de 5 milhões de pessoas de toda as cidades da região.

Mas, como os recursos do SUS (Sistema Único de Saúde) estão congelados, estamos usando recursos do orçamento da universidade para bancar, o que compromete gravemente nossa situação [a previsão é que sejam gastos

R$ 308 milhões do orçamento com o Hospital das Clínicas neste ano]. Estamos negociando com o governo do Estado. É preciso que se encontre uma equação sustentável.

Nesse cenário, a Unicamp tem conseguido contratar e segurar bons professores?

Isso é algo que nos preocupa muito, tanto em relação aos professores como em relação aos funcionários. É difícil falar sobre isso em um país com tantas desigualdades, mas esse tema precisa ser enfrentado. Quem chega a ser professor já está no topo da pirâmide social. E, hoje, o teto salarial nas universidades é o subsídio do governador, que está em R$ 21 mil.

Líquido, esse teto fica em cerca de R$ 14 mil, abaixo não só do que acontece no setor privado, mas também da perspectiva de carreira das federais [que têm como teto o salário do ministro do STF, de R$ 33 mil] e muito abaixo do que acontece no mundo. Por que um jovem talento escolherá qualquer uma das três universidades paulistas?

Esse problema de atratividade já é perceptível hoje?

Já temos alguns casos de concursos sem nenhum candidato, de gente que se demitiu –especialmente em algumas áreas, como medicina. Falar que na universidade são pagos supersalários é falácia. O risco que temos com a questão do teto é seríssimo. A universidade pública como lugar de excelência está em risco.

O teto é vinculado aos ganhos do governador. Ele tem que aumentar o salário dele então?

É uma saída. Outra é uma proposta de emenda constitucional que está em tramitação na Assembleia Legislativa e prevê um aumento gradual do teto [trata-se da PEC 5/2016, que coloca como limite o teto dos desembargadores do Tribunal de Justiça de São Paulo, de R$ 30 mil].

Esse tipo de discussão com a sociedade não é fácil em um momento como o atual.

Precisamos mostrar com clareza o que teria acontecido se uma universidade como a Unicamp não tivesse sido criada. Para citar um exemplo, entre muitos: há 14 anos, criamos nossa agência de inovação e monitoramos as iniciativas criadas a partir dela. Desde então, já são 500 [empresas] “filhas” da Unicamp, que geram R$ 3 bilhões por ano. Isso sem falar na formação de recursos humanos que vão atuar em todas as áreas. Se pensarmos no hospital, a não existência da Unicamp significaria um colapso no sistema de saúde.

O sr. citou que hoje há ameaças à universidade pública. Além da questão financeira, quais são elas?

Cada vez mais vemos na opinião pública contestações da autonomia universitária, que tem de existir sem que a universidade se feche à sociedade. Também temos ouvido vozes favoráveis ao pagamento de mensalidade [nas instituições públicas].

 Por que o sr. é contra a cobrança de mensalidade?

Penso que é papel do Estado manter universidades por meio do pagamento de impostos. É falsa a ideia de que não se paga nada. Mas a ideia de retorno tem que fugir da lógica meramente financeira. Cursos como filosofia e física tendem a não existir numa lógica meramente mercantilista.

A Unicamp decidiu implantar um sistema ambicioso de cotas. Por quê?

A universidade é financiada pela sociedade, portanto ela precisa estar representada aqui. A diversidade é um princípio fundamental. Criamos alguns mecanismos, como a bonificação para alunos de escolas públicas, mas eles não eram suficientes para contemplar a população de pretos e pardos. Não vai ser a única mudança no vestibular. Além das cotas, devemos abrir parte das vagas pelo Sisu, para gente do país inteiro poder se inscrever, e estudamos adotar outras medidas, como dar uma pontuação extra para medalhistas de Olimpíadas de matemática, de física etc. Há uma comissão estudando isso. Queremos mais estrangeiros, mais pretos e pardos, mais indígenas, mais pessoas com deficiência.

É fácil entender por que a diversidade é importante para a sociedade. E para a universidade, por que ela é importante?

A universidade é o lugar das ideias, das discussões. Quanto mais ideias, mais gente com diferentes vivências e opiniões, melhor. Diversidade é fundamental para a ciência. O debate plural, com respeito, é muito bem-vindo.

O sr. falou em mudar o currículo. O que gostaria de fazer?

Gostaria que fôssemos no sentido de ter uma formação mais ampla, com menos horas em sala de aula e mais em projetos e trabalho em equipe. Poderíamos pensar num núcleo básico comum de disciplinas, que não precisa estar necessariamente no início do curso, poderia ser transversal, ao longo da formação. A ideia é pensar um currículo mais flexível, em que o aluno possa mudar com mais facilidade de um curso para outro, ou mesmo de uma universidade para outra. O ensino superior brasileiro é muito rígido. Essa é uma discussão que eu gostaria muito de abrir.

 


Aumenta número de brasileiros das classes C e D concluintes de curso superior (Agência Brasil – Educação – 28/08/2017)

O Sindicato das Mantenedoras de Ensino Superior (Semesp) lançou hoje (28), em São Paulo, estudo que mostra um quadro detalhado da educação superior no país. Segundo o Mapa do Ensino Superior no Brasil 2017, aumentou a proporção de alunos concluintes no ensino superior privado nas faixas de renda inferiores a três salários mínimos e de jovens pertencentes as classes C e D na comparação com o estudo anterior. O aumento do número de formandos chegou a 4,7 pontos percentuais na faixa com renda familiar de até 1,5 salário mínimo, ou seja, 13,5% dos formados, e de 3,4 pontos percentuais na faixa entre 1,5 e 3 salários mínimos, o que representa 26,8%, a maior parcela dos concluintes do ensino superior. “A ampliação da oferta pela rede privada e os programas sociais, principalmente o Fies [Fundo de Financiamento Estudantil], trouxe realmente uma classe nova, que é a classe C, para dentro do ensino superior, e você já tem os primeiros reflexos, quando os dados de 2013, 2014 e 2015”, destaca o diretor executivo do Semesp, Rodrigo Capelato. Para ele, o crescimento econômico do início da década também foi um fator determinante. “Junto a isso, a economia vinha num crescente, e a classe C, em ascendência, de forma que essas pessoas começaram a ingressar no ensino superior”. O mapa também mostra que o número total de concluintes de cursos presenciais no Brasil aumentou de 9,3% de 2014 a 2015 (eram 841 mil e passaram a 919 mil em 2015), e o número total de concluintes nos cursos a distância cresceu 23% de 2014 a 2015 (eram 190 mil e passaram a 234 mil). Desenvolvido desde 2011, o Mapa do Ensino Superior no Brasil 2017 retrata fielmente o panorama do ensino superior brasileiro em 2015 (período mais recente disponível), comparando os dados estatísticos com os da edição anterior. O estudo revela ainda que os cursos mais procurados pelos estudantes, por faixa etária, nas instituições de ensino superior privado no Brasil em 2015 foram os presenciais de direito (765 mil matrículas), administração (506 mil) e engenharia civil (300 mil). No mesmo período, se for considerada a faixa etária até 24 anos, os mais procurados foram direito, administração e engenharia civil. Já na faixa etária de 25 a 44 anos, os cursos presenciais mais buscados foram direito, administração e enfermagem e, na faixa etária acima de 45 anos, os preferidos foram direito, pedagogia e psicologia. Nos cursos presenciais, a maioria dos alunos matriculados (52,3%) está na faixa etária de 19 a 24 anos – na rede pública, o percentual é de 57,8% e, na rede privada, de 50,1%. A faixa de 25 a 29 anos também contempla um número considerável de alunos, chegando a 20%. A evolução das matrículas nos cursos de nível superior a distância registrou, de 2009 a 2015, crescimento de 66%, com aumento de 90% na rede privada e uma queda de 26% na rede pública. No período de 2014 a 2015, o crescimento na rede privada chegou a 5,2% (1,20 milhão de matrículas para 1,26 milhão). Já na rede pública ocorreu uma queda de 7,9% nas matrículas (eram 139 mil em 2014 e reduziram para 128 mil em 2015). O diretor executivo do Semesp considera restritivo o acesso o acesso à universidade pública gratuita. “Além das pouquíssimas vagas, só conseguem concorrer aqueles que estudaram nas melhores escolas no ensino básico, ou seja, no ensino particular. Isso é contraditório, quer dizer que aqueles que estudaram em escola particular no ensino básico conseguem acessar a universidade pública gratuita e aqueles que estudaram no ensino público acabam tendo que frequentar a faculdade paga”, lamenta Capelato.

Empregabilidade

Segundo o estudo, a empregabilidade está aumentando entre os que têm ensino superior completo. De 2014 a 2015, os postos de trabalho para quem tem curso superior cresceram 1,5%, chegando a 9,7 milhões de empregos em 2015. No ensino médio, o crescimento chegou a apenas 1% e, no ensino fundamental, houve uma queda de 3% na empregabilidade. Para Capelato, quem tem um diploma de ensino superior nas mãos tem mais chances no mercado de trabalho. “No momento de boom econômico, quem tem escolaridade superior é o que mais consegue emprego e aumento no salário. E, em momento de crise, é o que menos sofre com desemprego.” De acordo com dados da Associação Brasileira de Estágios (Abres), em 2015, o número de estagiários no Brasil chegou a 1 milhão, sendo 260 mil com ensino médio completo ou ensino técnico completo e 740 mil, do nível superior. Segundo a associação, esse dado mostra que apenas 2,7% dos alunos matriculados no ensino médio e técnico fazem estágio. No ensino superior, o percentual chega a 9,2%. Conforme o levantamento, o maior número de vagas oferecidas é para estudantes de administração (16,8%), direito (7,3%), comunicação social (6,2%), informática (5,2%), engenharias (5,1%) e pedagogia (4,2%). Em 2016, a média geral da remuneração paga a um estagiário brasileiro ficou em R$ 965. Para quem está no ensino médio, R$ 606; no médio técnico, R$ 762; no superior, R$ 1,1 mil; e no superior tecnológico, R$ 998. Já a remuneração média total do trabalhador brasileiro em 2015 ficou em R$ 2,6 mil. A média de remuneração de quem tem ensino superior completo foi R$ 5,7 mil. Para quem tem ensino médio completo, a renda média chegou a R$ 1,9 mil e, para os que têm ensino fundamental completo, a R$ 1,6 mil.

Custo do diploma

Um dado mais recente do estudo mostrou que, no primeiro semestre deste ano, a média geral do valor das mensalidades ficou em R$ 898. No curso de medicina, a mensalidade média foi R$ 6,2 mil; no de odontologia, R$2,1; no de arquitetura e urbanismo, R$ 1,2 mil; e no de engenharia, R$ 1,1 mil. Entre os cursos mais procurados, o que teve a menor média de mensalidade foi pedagogia: R$ 621. O Mapa do Ensino Superior, elaborado anualmente pela assessoria econômica do Semesp, apresenta um panorama da educação superior no país ao longo dos últimos 15 anos. O estudo abrange todos os estados brasileiros e é detalhado por mesorregião.

 


Mais brasileiros das classes C e D estão no ensino superior (Exame – Carreira – 28/08/2017)

O aumento do número de formandos chegou a 4,7 pontos percentuais na faixa com renda familiar de até 1,5 salário mínimo, ou seja, 13,5% dos formados

Segundo o Mapa do Ensino Superior no Brasil 2017, aumentou a proporção de alunos concluintes no ensino superior privado nas faixas de renda inferiores a três salários mínimos e de jovens pertencentes as classes C e D na comparação com o estudo anterior. O aumento do número de formandos chegou a 4,7 pontos percentuais na faixa com renda familiar de até 1,5 salário mínimo, ou seja, 13,5% dos formados, e de 3,4 pontos percentuais na faixa entre 1,5 e 3 salários mínimos, o que representa 26,8%, a maior parcela dos concluintes do ensino superior. “A ampliação da oferta pela rede privada e os programas sociais, principalmente o Fies [Fundo de Financiamento Estudantil], trouxe realmente uma classe nova, que é a classe C, para dentro do ensino superior, e você já tem os primeiros reflexos, quando os dados de 2013, 2014 e 2015”, destaca o diretor executivo do Semesp, Rodrigo Capelato. Para ele, o crescimento econômico do início da década também foi um fator determinante. “Junto a isso, a economia vinha num crescente, e a classe C, em ascendência, de forma que essas pessoas começaram a ingressar no ensino superior”. O mapa também mostra que o número total de concluintes de cursos presenciais no Brasil aumentou de 9,3% de 2014 a 2015 (eram 841 mil e passaram a 919 mil em 2015), e o número total de concluintes nos cursos a distância cresceu 23% de 2014 a 2015 (eram 190 mil e passaram a 234 mil). Desenvolvido desde 2011, o Mapa do Ensino Superior no Brasil 2017 retrata fielmente o panorama do ensino superior brasileiro em 2015 (período mais recente disponível), comparando os dados estatísticos com os da edição anterior. O estudo revela ainda que os cursos mais procurados pelos estudantes, por faixa etária, nas instituições de ensino superior privado no Brasil em 2015 foram os presenciais de direito (765 mil matrículas), administração (506 mil) e engenharia civil (300 mil). No mesmo período, se for considerada a faixa etária até 24 anos, os mais procurados foram direito, administração e engenharia civil. Já na faixa etária de 25 a 44 anos, os cursos presenciais mais buscados foram direito, administração e enfermagem e, na faixa etária acima de 45 anos, os preferidos foram direito, pedagogia e psicologia. Nos cursos presenciais, a maioria dos alunos matriculados (52,3%) está na faixa etária de 19 a 24 anos – na rede pública, o percentual é de 57,8% e, na rede privada, de 50,1%. A faixa de 25 a 29 anos também contempla um número considerável de alunos, chegando a 20%. A evolução das matrículas nos cursos de nível superior a distância registrou, de 2009 a 2015, crescimento de 66%, com aumento de 90% na rede privada e uma queda de 26% na rede pública. No período de 2014 a 2015, o crescimento na rede privada chegou a 5,2% (1,20 milhão de matrículas para 1,26 milhão). Já na rede pública ocorreu uma queda de 7,9% nas matrículas (eram 139 mil em 2014 e reduziram para 128 mil em 2015). O diretor executivo do Semesp considera restritivo o acesso o acesso à universidade pública gratuita. “Além das pouquíssimas vagas, só conseguem concorrer aqueles que estudaram nas melhores escolas no ensino básico, ou seja, no ensino particular. Isso é contraditório, quer dizer que aqueles que estudaram em escola particular no ensino básico conseguem acessar a universidade pública gratuita e aqueles que estudaram no ensino público acabam tendo que frequentar a faculdade paga”, lamenta Capelato.

Empregabilidade

Segundo o estudo, a empregabilidade está aumentando entre os que têm ensino superior completo. De 2014 a 2015, os postos de trabalho para quem tem curso superior cresceram 1,5%, chegando a 9,7 milhões de empregos em 2015. No ensino médio, o crescimento chegou a apenas 1% e, no ensino fundamental, houve uma queda de 3% na empregabilidade. Para Capelato, quem tem um diploma de ensino superior nas mãos tem mais chances no mercado de trabalho. “No momento de boom econômico, quem tem escolaridade superior é o que mais consegue emprego e aumento no salário. E, em momento de crise, é o que menos sofre com desemprego.” De acordo com dados da Associação Brasileira de Estágios (Abres), em 2015, o número de estagiários no Brasil chegou a 1 milhão, sendo 260 mil com ensino médio completo ou ensino técnico completo e 740 mil, do nível superior. Segundo a associação, esse dado mostra que apenas 2,7% dos alunos matriculados no ensino médio e técnico fazem estágio. No ensino superior, o percentual chega a 9,2%. Conforme o levantamento, o maior número de vagas oferecidas é para estudantes de administração (16,8%), direito (7,3%), comunicação social (6,2%), informática (5,2%), engenharias (5,1%) e pedagogia (4,2%). Em 2016, a média geral da remuneração paga a um estagiário brasileiro ficou em R$ 965. Para quem está no ensino médio, R$ 606; no médio técnico, R$ 762; no superior, R$ 1,1 mil; e no superior tecnológico, R$ 998. Já a remuneração média total do trabalhador brasileiro em 2015 ficou em R$ 2,6 mil. A média de remuneração de quem tem ensino superior completo foi R$ 5,7 mil. Para quem tem ensino médio completo, a renda média chegou a R$ 1,9 mil e, para os que têm ensino fundamental completo, a R$ 1,6 mil.

Custo do diploma

Um dado mais recente do estudo mostrou que, no primeiro semestre deste ano, a média geral do valor das mensalidades ficou em R$ 898. No curso de medicina, a mensalidade média foi R$ 6,2 mil; no de odontologia, R$2,1; no de arquitetura e urbanismo, R$ 1,2 mil; e no de engenharia, R$ 1,1 mil. Entre os cursos mais procurados, o que teve a menor média de mensalidade foi pedagogia: R$ 621. O Mapa do Ensino Superior, elaborado anualmente pela assessoria econômica do Semesp, apresenta um panorama da educação superior no país ao longo dos últimos 15 anos. O estudo abrange todos os estados brasileiros e é detalhado por mesorregião.

 


Inscrições para o Vestibular 2018 da Unicamp se encerram no dia 31 (G1 – Campinas e Região – 27/08/2017)

Candidatos podem se inscrever até às 23h59 de quinta-feira (31). São 3.340 vagas em 70 cursos.

Esta é a última semana de inscrições para o Vestibular 2018 da Unicamp. Os candidatos têm até às 23h59 da próxima quinta-feira (31) para realizar o processo, feito exclusivamente pela internet. O formulário de inscrição está disponível na página eletrônica da Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest) . O Vestibular Unicamp 2018 oferece 3.340 vagas distribuídas em 70 cursos. A taxa de inscrição é de R$ 165 e deverá ser paga até dia 1º de setembro. Para quem conseguiu taxa de isenção, é necessário usar o código de isenção na hora de preencher o formulário. Confira aqui a lista dos isentos.

Datas

A primeira fase do vestibular será realizada no dia 19 de novembro e a segunda fase será nos dias 14, 15 e 16 de janeiro de 2018. Antes da primeira fase, haverá provas de Habilidades Específicas para candidatos aos cursos de Música (no período de 11 a 18 de setembro – Etapa I e de 15 a 16 de outubro – Etapa II). Para os demais cursos que exigem provas específicas (Arquitetura e Urbanismo, Artes Cênicas, Artes Visuais e Dança), as provas de Habilidades Específicas ocorrerão no período de 22 a 25 de janeiro de 2018.