01/02/2017 / Em: Clipping

 

Em 34 colunas em 1926, ‘Estado’ analisou a educação no País e pontuou necessidade de criação da universidade

Estrutura de ensino desconexa, em que as poucas faculdades formavam apenas para o ofício, falta de preparação de docentes e inexistência da prática da ciência. Esse era o panorama da educação do Brasil em meados da década de 1920. O quadro inquietava o educador Fernando Azevedo e o jornalista Julio de Mesquita Filho, diretor do Estado. O encontro dos dois foi fundamental para a criação da Universidade de São Paulo e da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras. Para eles, a mudança sociopolítica do País só viria pela educação. Para concretizar a mudança que idealizavam era preciso consultar professores, cientistas e escritores. Com esse espírito, o jornal O Estado de S. Paulo iniciou, em 1926, uma pesquisa sobre a situação da educação. Coube a Fernando de Azevedo, a pedido de Mesquita Filho, a coordenação de um questionário.